Azevedo Amaral

Não pode causar surpresa o rato de o sistema presidencial haver sido durante quase quarenta anos praticado no Brasil sem que dele se formasse compreensão nítida tanto entre as massas da população como nos círculos dirigentes da politica nacional. Uma forma de governo, para ser entendida e devidamente apreciada em todos os seus aspectos e nas suas múltiplas repercussões na vida social, precisa ser experimentada durante um lapso de tempo suficientemente longe para que se opere o desenvolvimento de todas as suas possibilidades. No próprio caso do presidencialismo, temos significativo exemplo não apenas no que se passou entre nós, como no ocorrido nos Estados Unidos através de uma experiência constitucional, não de quatro decênios apenas, mas de século e meio.

Ler versão Digital