Beatriz M. de Sousa Wahrlich

Até 1937, quando se cuidava, no nosso país, da elaboração e execução do orçamento, em geral não se dava a importância que merece ao fato de serem tais funções, na maioria de suas fases, de “administração geral”, cujo desempenho deveria estar ligado, intimamente, ao das demais atividades dessa natureza. Assim é que pouca ou nenhuma relação permanente mantinham, entre si, as repartições incumbidas do preparo e execução do orçamento e aquelas que tratavam de pessoal, material e outras funções comuns a todos os órgãos da Administração. E, sem que os elementos apurados por esses serviços fossem medidos e pesados uns contra os outros, eram elaborados e executados orçamentos que se reduziam a simples compressão de despesas a limites que as estimativas da receita aconselhavam.

Download

Ler versão Digital