As relações entre moral e o mundo das organizações suscitam um sem número de questões as mais controversas. Não tratam apenas de verdades técnicas produzidas pelos ditos teóricos da gestão que pretendem produzir “caminhos certos” para a trajetória do sucesso empresarial. O mais das vezes tais teóricos têm mais a ver com os livros de autoajuda do que propriamente com a seriedade de que se deve revestir a ação organizacional. Outras vezes, cuidam apenas de encontrar caminhos “politicamente corretos” para questões organizacionais mais agudas nos tempos presentes.

Buscam-se respostas e caminhos para questões de como legitimar as desigualdades sociais. Mas estas se agravam com a mundialização da economia e a globalização.

shutterstock_106219592

Como se conciliam o impulso consumista e a ética no trabalho, o devaneio do “aqui e agora” e a construção de relações fundadas nos direitos humanos e na equitatividade?

A pergunta proposta no livro “As Organizações são Morais?”, de minha autoria, é muito complexa. Mas, paradoxalmente à sua complexidade, ela nos permite a ousadia de uma resposta bem simples, sem ser simplista ou simplória, mesmo que ela talvez, caro leitor, possa não o agradar inteiramente: ‘Não, definitivamente, as organizações não são morais. A moral habita um reino, as organizações habitam outro bem distinto, o econômico’.

O sistema econômico empresarial é feito para criar riqueza. O equívoco fundamental é crer que basta a riqueza para construir um processo civilizatório ou mesmo uma sociedade movida por padrões dignos de humanização. Para isso, precisamos das instituições e do direito para conter a voracidade organizacional pela busca de resultados.

Não adianta culpar o leão por ser carnívoro. Isto faz parte de sua natureza. A busca do lucro faz parte da natureza da organização. Ela não é nem moral nem imoral, ela é amoral. Não se pode e muito menos se deve avaliar a organização com os instrumentos da moral. E nem vice-versa.

Se a ética fosse fonte de lucro, estaríamos vivendo no paraíso, e não mais aqui na Terra, este vale de lágrimas. Bastariam os bons sentimentos das pessoas e o primado da ética na interação entre elas.

Se a organização fosse moral, estaríamos mais do que nunca no paraíso: não haveria necessidade nem do Estado, nem da virtude – bastaria o mercado, e, portanto, a organização como seu braço operacional.

É justamente porque nem a economia, nem a organização e, portanto, muito menos o mercado que as condiciona, não são morais que precisamos da distinção das diferentes ordens, ou seja, a Ordem Econômica ou Tecnocientífica, a Ordem institucional-Legal ou Político-Jurídica, a ordem moral, a ordem ética e a ordem espiritual. E, mais ainda, precisamos de todas essas ordens em permanente interação. Nenhuma delas é, por si só, suficiente. Uma não funciona sem a outra, todas interagem e se interinfluenciam reciprocamente. Mas cada uma delas preserva a sua própria lógica.

A Ordem Econômica ou Tecnocientífica é estruturada pela oposição entre o possível e o impossível. Tecnicamente, há o que se pode fazer (possível) e o que não se pode fazer (impossível). Cientificamente, há o que se pode pensar realizar (o possivelmente verdadeiro) e o que não se pode pensar realizar (o possivelmente falso). Pense na bomba atômica: antes era impossível realizá-la e até pensar realizá-la e hoje é perfeitamente possível pensar e fazer.

A Ordem Jurídica-Política ou Institucional-Legal é estruturada pela oposição entre o legal e o ilegal. Juridicamente, há o que a lei autoriza (o legal) e o que a lei veda (o ilegal).

Não se vota o verdadeiro ou o falso, nem o bem e o mal. É por isso que a democracia não substitui nem a consciência nem a competência. E vice-versa: consciência moral, presente na Ordem Moral, e a Competência, na Ordem Econômica ou Tecnocientífica, não poderiam substituir a democracia concretizada na Ordem Institucional-Legal.

A verdade não manda nem obedece. E a consciência? Ela só obedece a si e só manda em si. É a sua maneira de ser livre.

A moral do ponto de vista dos indivíduos se soma à lei: é como um limite positivo – a consciência de um homem de bem é mais exigente do que a lei produzida pelo legislador.

O indivíduo tem mais deveres do que o cidadão. Há o que a lei autoriza e que, no entanto, devemos nos vedar; outros limites que a lei não impõe, que, no entanto, devemos nos impor.

A Ordem Moral é estruturada pela oposição entre o bem e o mal, entre o dever e o proibido.

Moral é o conjunto dos nossos deveres, das obrigações e das proibições que impomos a nós mesmos. É o que se impõe incondicionalmente à nossa consciência.

Já a Ordem Ética é tudo que se faz por amor: amor à verdade, amor á liberdade, amor à humanidade, amor ao próximo, enquanto que a Ordem Moral é tudo o que se faz por dever, por obrigação de foro íntimo.

O amor intervém, portanto, em todas as ordens, mas sem as abolir. Muito mais como motivação para o sujeito do que como regulação para o sistema.

A economia, aliás, bastaria para prová-lo: o amor ao dinheiro ou ao bem-estar tem seu papel, é claro, mas não basta para proporcionar nem um nem outro. Do mesmo modo, o amor à verdade pode ser uma motivação na Ordem Tecnocientífica, especialmente para os cientistas e os pesquisadores, mas não substitui a demonstração, e muito menos a dispensa. Tampouco o amor à liberdade presente na Ordem Institucional-Legal basta à democracia em sua plenitude.

A empresa não age de acordo com um dever moral, mas por interesse. Por mais síncrona que seja à moral, a sua ação não tem nenhum valor moral, já que realizada na realização primacial de seus interesses. Ma  quis moralizar a economia, submeter a economia à ordem moral. É o que as empresas hoje querem fazer por intermédio da responsabilidade social, da empresa cidadã, da ética empresarial, do desenvolvimento sustentável e do voluntariado solidário. Pretendem-se assim serem os agentes da transformação social, os aristocratas da virtude do mundo contemporâneo.

É claro, a palavra moral anda démodé, vista como antiga, ultrapassada, velha. Rebatizada, agora se prefere falar em sistemas organizacionais mais amplos como direitos humanos, humanitarismo, solidariedade, igualdade de direitos.
Ouço e leio por todo o lado declarações do tipo: a) a ética empresarial melhora o clima interno da organização, logo a produtividade; b) a ética melhora a imagem da empresa, logo as vendas; c) a ética melhora a qualidade da produção ou dos serviços, logo, de novo, os resultados organizacionais.

A ética é eficaz, efetiva e eficiente! A ética compensa! “Ethics pays!”, como gostam de afirmar em pletora os compêndios especializados no tema.

Exalta-se o mais novo neologismo do mundo empresarial:”markética”, o filho bizarro dos estranhos amores da ética e do marketing. A gestão ética dos negócios transforma a ética no propulsor “politicamente correto” da fonte de lucro das organizações.

Vê-se agora o que nunca se viu: a virtude por si só fazer alguém ganhar dinheiro, o que é bem diferente de se ganhar honestamente, como sempre se propugnou nos tempos passados.

Embora não se conteste que a moral e a economia, o dever e o interesse, às vezes e muitas vezes, possam ir na mesma direção, em quaisquer das situações em que tal aconteça, não há por definição nenhum problema – em especial nenhum problema moral.

Imagine se você estiver diante de duas opções A e B. Se optar por A, ganha muito dinheiro e é visto por todos como um cara formidável. Se optar por B, perde dinheiro e é visto como um mau-caráter. É óbvio que você vai optar por A. Sem dúvida, a moral e a economia o levam a essa opção, pois é simultaneamente seu dever e seu interesse. Nesse caso, não há nenhum problema, em especial nenhum problema moral.

O que se costuma chamar de ética empresarial em colóquios acadêmicos e empresariais, em compêndios e na ampla literatura do gênero, nada mais é do que tentar resolver esse tipo de problema, quero dizer, os problemas que de fato não são problemas.

Optamos por A, é claro, já que esta opção nos leva à moral e à economia, ao dever e ao interesse, por motivos morais ou por motivos econômicos. Ou por ambos.

Como os dois motivos nesta hipótese vão na mesma direção, como saber qual deles foi o determinante?

Um pouco de humildade e de autopercepção objetiva talvez nos leve a pensar que agimos por interesse, por mais que racionalizemos ter sido por motivação moral. E, mais ainda: por mais de acordo que tenha sido a nossa ação à moral, apenas por ela ter sido fundamentalmente consubstanciada pelo interesse, ela é contrária ao próprio valor moral de uma ação que deve ser presidida eticamente pelo desinteresse.

A ética é universal e desinteressada, jamais legítima quando particular e interessada. Repise-se: a empresa não age por dever moral, mas na busca de seus interesses. Por mais conforme que esteja à moral, a sua ação não tem qualquer valor moral, já que realizada por interesse. O valor moral de uma ação é a universalidade e o desinteresse, repise-se.

Uma empresa não tem moral: ela tem centros de custos e de lucros, tem clientes. Não tem deveres éticos: tem interesses e obrigações junto aos seus stakeholders, ou seja, às suas partes relacionadas. Não tem sentimentos, não tem ética, não tem amor ao próximo: só tem objetivos a alcançar e um balanço em azul a apresentar. É óbvio: não há moral empresarial, nem ética empresarial, e, muito menos, empresa cidadã.

Mas justamente porque não existe moral da empresa que deve haver moral na empresa, construída permanentemente pela intermediação das pessoas que nela trabalham e que a dirigem. E assim também para a ética: pelo fato de a empresa não ter ética é decisivo que aqueles que nela trabalham e a dirigem têm de ter uma. Não podemos querer para as organizações, apenas e simplesmente ficções jurídicas, responsabilidades que são inerentes às pessoas. Não contemos com a empresa para ser moral e ética em nosso lugar.

É um evidente absurdo querer resolver quaisquer questões, inclusive as individuais ou existenciais, com a política. Igualmente, absurdo será querer resolver as questões sociais e políticas com a moral e o humanismo capitaneados pelas organizações.

Da mesma forma, também absurdo é julgar que todas as questões morais e econômicas possam se dar através das invocações à vida espiritual. Estas, o mais das vezes, afirmam que “não se pode transformar a sociedade sem antes não nos transformarmos a nós mesmos”, Eis ai um lugar comum, repetido às escâncaras como um mantra: afirmam que a transformação da sociedade humana só se dará através da transformação prévia dos indivíduos enquanto pessoas. Eis ai mais uma investida equivocada, “politicamente correta” por certo, que parece eivada de bom senso e de boas intenções, mas fadada a uma perspectiva naive da ação transformadora da sociedade.

Se os indivíduos esperarem ser justos para lutar pela justiça, nunca haverá justiça. Se esperarem ser pacíficos para lutar pela paz, nunca haverá paz. Se esperarem ser livres para lutar pela liberdade, nunca haverá liberdade. Se esperarem alcançar o paraíso para combater os males deste mundo nunca haverá o predomínio da virtude nas relações entre os homens.

Toda a história humana prova, ao contrário, que a transformação da sociedade é uma tarefa muito distante e independente da espiritualidade. Em sentido contrário, também é verdade que transformar a sociedade nunca foi suficiente para transformar o homem em si mesmo. Que o digam as grandes revoluções políticas e sociais vivenciadas pela humanidade ao longo de sua trajetória na face da terra.

Assim, como a política não substitui a virtude também a virtude não substitui a política. O mesmo se dá em relação às empresas, incapazes de substituir a moral e a ética, por melhores e mais bem intencionados sejam os seus programas de voluntariado solidário, ética empresarial, empresa cidadã e responsabilidade social.

A aristocracia da virtude da sociedade nas mãos das organizações empresariais é uma moda absolutamente ridícula. Transforma-se num vício de hipocrisia e de farisaísmo. E todo vício na moda, transforma-se em virtude. Essa monotemática é perigosa e restritiva. As organizações ora vivem num monotema ora passam para outro. Este não é um fenômeno social, político e cultural sem significação e prenhe de variadas repercussões.

A empresa agora, com seus programas pretensamente moralistas e pseudoéticas pretendem praticar e impor o totalitarismo de suas vontades, um quase monopólio ideológico na sociedade globalizada em que vivemos nos tempos presentes.

Adm. Wagner Siqueira
CRA-RJ nº 01-02903-7
Presidente

Texto retirado do livro ‘As organizações são morais?’, da editora Qualitymark (2014)

Confira